Telhado ou Laje. Qual a melhor opção?

Telhado ou Laje? É uma dúvida frequente na hora de decidir qual o melhor tipo de cobertura para a casa. Afinal qual a melhor opção? As pessoas que estão construindo buscam beleza arquitetônica e principalmente segurança e tranquilidade de que o telhado protegerá sua casa e sua família. Tanto o telhado quanto a laje possuem características particulares e para decidir pela melhor opção é necessário conhecer essas características.

 

Conheça as vantagens e desvantagens entre o telhado ou laje.

 

Laje:

As lajes são as coberturas mais utilizadas na maioria das construções, porém um problema comum é a impermeabilização da laje que nem sempre é feita de forma adequada e com o passar do tempo começam a surgir problemas relacionados a infiltrações.

Ao optar por uma laje é necessário estar atento às formas existentes de impermeabilização, existem as mantas, o fibrocimento, as pinturas impermeabilizantes entre outros. Além do cuidado na hora de impermeabilizar, a manutenção da laje é necessária para evitar problemas.

Existem sim pontos negativos em relação à laje como, por exemplo, peso sobre a estrutura e impermeabilização. Porém também existem vários pontos que contam em favor da laje.

Ela evita que haja verticalização da construção, possibilita criar espaços, com devido planejamento a laje se torna uma alternativa para um terraço, ou instalação de cômodos para aumentar o espaço útil da casa.

 

Pontos positivos e pontos negativos do telhado.

 

O telhado é muito comum nas construções no Brasil, as telhas fundamentais para compor o telhado são encontradas em diferentes modelos e também produzidas com diversos materiais: existem as telhas naturais, coloridas, esmaltadas, recicladas entre outras. Todas as telhas precisam de um sistema de que garanta a sustentação do telhado que é o madeiramento.

É possível encontrar telhas que variam conforme o desenho ou a função específica da telha. Existem as telhas: Portuguesa, americana, germânica, francesa, colonial e etc. O que varia de um modelo para o outro é a forma da peça, a condução da água e seu encaixe.

 

Sustentação do telhado.

 

A sustentação do telhado é fundamental para garantir segurança na construção. A sustentação do telhado é composto por terças, que correspondem a parte robusta do telhado, elas são responsáveis pela sustentação dos caibros, esses tem a função de sustentar as ripas onde as telhas são encaixadas.

Um telhado seguro e de qualidade precisa ser feito com materiais de qualidade e boa procedência, bons materiais, mão de obra qualificada são a garantia de um telhado funcionando de forma perfeita.

 

Subcoberturas para proteger a construção.

 

As subcoberturas são compostas por mantas que contribuem no quesito segurança da cobertura impedindo possíveis vazamentos e contribuindo para o isolamento térmico. Existem vários tipos de mantas

Metálicas:

  • As telhas metálicas podem ser encontradas tipo sanduiche, ou seja, um conjunto de duas telhas com isolamento térmico entre elas e também, as telhas simples; 
  • Os desenhos achados no mercado podem ser encontrados em forma de: telha forro, onduladas ou trapezoidais cada desenho têm diversos desenhos no qual cada um permite um determinado vão ou inclinação diferente; 
  • Podem ser encontradas de alumínio ou de ação, algumas são galvanizadas  em seu acabamento, pintura eletrostática e etc;

 

  • Os benefícios em escolher por esse tipo de telha é a sua baixa inclinação e a leveza que poupa a estrutura e o rápido processo de montagem.

 

Fibrocimento:

  • Sua principal vantagem é a facilidade de aplicação e o baixo custo. No entanto é necessário fazer um planejamento com antecedência, pois interior da construção pode esquentar demais com a instalação do fibrocimento.

O melhor durante uma obra é consultar profissionais qualificados para realizar a sua obra. Além da qualidade dos profissionais escolhidos para a execução da obra, a escolha de materiais de qualidade também é fundamental garantindo que o seu telhado além de funcional também tenha beleza estética e garanta segurança a sua família.

Agora fica por sua conta decidir qual a melhor alternativa para a sua construção, optar pelo telhado ou laje.

5 dicas preciosas para economizar na construção da sua casa

A construção da casa própria é um grande momento na vida de muitas pessoas, é um sonho que finalmente vai se concretizar, no entanto para que o sonho não se torne um pesadelo e todos os projetos pensados e idealizados pela família possam sair do papel e se tornar real é necessário estar atento ao planejamento e economizar na construção da sua casa.

É o planejamento da sua obra que vai garantir que tudo funcione do início ao fim sem extrapolar o seu orçamento. Economizar durante a obra é possível sim! Desde que você faça as escolhas certas com a ajuda de bons profissionais.

Para não fugir do planejamento caindo em pegadinhas e armadilhas que enganam o consumidor você deve seguir a risca tudo que está no seu planejamento assim sua obra se concretizará sem que você fique no vermelho.

1.     Escolhendo o terreno da sua casa.

Saiba escolher o terreno onde a sua casa vai ser construída, com base no terreno o projeto arquitetônico será baseado e você e seu arquiteto vão conseguir decidir como aperfeiçoar o terreno e a obra. Sem desperdício de espaço e gastos desnecessários.

Escolha bons profissionais.

Escolha com cuidado o engenheiro e o arquiteto responsáveis pela sua obra para que nada saia diferente do esperado e se houver eventuais imprevistos profissionais qualificados conseguem resolver sem destruir o seu orçamento. Deixe claro alguns pontos importantes para os profissionais que vão trabalhar com você na obra:

  • O valor que você possui para a obra;
  • Questione às especificações pedidas;
  • Peça um cronograma com todas as etapas da construção;
  • Peça também indicações delojas de material de construção e de profissionais que não cobrem muito caro.

O arquiteto é o responsável por projetar a parte elétrica, hidráulica e arquitetônica da sua obra enquanto o engenheiro é responsável principalmente por calcular os gastos e certificar que a obra esteja dentro das normas exigidas.

 

2.     Economize na construção da sua casa ao comprar os materiais.

Quando a lista de materiais já estiver pronta é hora de procurar o melhor lugar para comprar, o ideal é comprar tudo que for possível na mesma loja, isso lhe garante um bom desconto na hora da compra gerando economia.

 

 

3.     Não economize nos detalhes mais importantes.

Alguns dos detalhes mais importantes de uma obra como uma casa costumam ser:

  • Telhado;
  • Portas;
  • Janelas.

Por serem materiais de extrema importância é necessário pesquisar o máximo possível para encontrar materiais de qualidade com bom preço. Uma boa opção para poupar são os modelos de alumínio.

Já o telhado é uma das partes que mais exige despesas, nesse caso economizar também é possível, mas para ter um bom telhado é necessário investir em material de qualidade e mão de obra qualificada o que vai evitar problemas sérios no seu telhado como goteiras ou apodrecimento da madeira.

 

4.     Atenção com a parte hidráulica.

Não há nada pior em uma casa do que o meu funcionamento da parte hidráulica causando entupimentos e muita dor de cabeça. O ideal é dispor os banheiros, área de serviço e cozinha em uma área específica assim será possível economizar na hora de comprar as tubulações.

Esse conceito garante uma excelente economia por que os tubos que serão usados terão um comprimento menor. Se essa alternativa não for possível, alinhar somente os banheiros ainda vai gerar uma boa economia.

 

5.     Economizar nos acabamentos também é possível.

Já foi o tempo em que o acabamento deixava as pessoas de cabelo em pé por ser a parte mais cara do projeto. Hoje o mercado de construção civil oferece preços para todos os bolsos com materiais baratos e de qualidade.

Nessa busca pela economia e qualidade o mais importante é ter paciência para procurar lojas com os melhores preços. É possível encontrar inúmeras alternativas de acabamentos como tinta, pisos entre outros materiais com preços acessíveis e que podem substituir tranquilamente materiais mais caros.

Piso para cozinha: Saiba como escolher!

Construindo ou reformando a escolha do piso para cozinha deve ser muito bem planejada. Afinal a cozinha na maioria das casas é o ambiente onde as pessoas mais circulam e precisa ser limpo com mais frequência.

Claro que não se deve pensar somente em pisos fáceis de limpar, é necessário levar em conta alguns critérios, como estética, qualidade, para que o ambiente além de funcional seja também um ambiente aconchegante e bonito.

Na hora da escolha do piso para cozinha deve levar em conta a quantidade de pessoas que circulam na casa, se são crianças, adultos, idosos, se a casa tem animais de estimação, dependendo de quem usa a cozinha podem acontecer escorregões, arranhões nas peças, e dificuldade de limpeza.

Por isso, leve em consideração todos os critérios citados para não ter decepções futuras. Lembre-se que nessa escolha o preço e a estética podem ser relativos. Por isso temos algumas dicas sobre os pisos mais utilizados nas cozinhas.

 

Saiba mais sobre os tipos de piso para cozinha antes da escolha definitiva.

Conhecer um pouco mais sobre cada piso é importantíssimo para fazer uma escolha consciente e sem arrependimentos futuros:

 

Porcelanato:

  • O porcelanato faz sucesso por conta da sua beleza estética, é um piso fácil de limpar semelhante a um piso frio, porém com estética considerada superior;

 

  • Existem vários tipos de porcelanato cada um com as suas particularidades O polido, por exemplo, é fácil de limpar, possui alta resistência, alto brilho, baixa absorção de sujeira e uma gama bastante grande de cores;

 

  • Possui um ponto negativo, o fato de ser polido oferece riscos quando esta úmido ou levemente molhado tornando-se escorregadio;

 

Porcelanato Acetinado:

 

O porcelanato acetinado é menos escorregadio por receber polimento. Como não tem brilho pode ser mais agradável visualmente e contribuir para a decoração da cozinha. Existem várias cores e modelos, alguns inclusive imitam cimento queimado que se tornou uma grande tendência na decoração para cozinhas.

 

Cerâmica:

 

  • A cerâmica talvez seja um dos pisos mais tradicionais a serem utilizados na cozinha, existem cerâmicas de todos os preços, cores, tamanhos e estilos. É necessário observar o PEI, sigla que caracteriza a resistência do piso em relação ao tráfego que ele aguenta.  A movimentação de pessoas e objetos sobre uma superfície cerâmica esmaltada causa desgaste do material;
  • São cinco índices no total e para cozinha indica-se as cerâmicas de PEI 3 com média á alta resistência. A cerâmica com o PEI 3 é perfeita para ser utilizada na cozinha;

 

  • As cerâmicas costumam ser mais acessíveis do que os outros pisos comentados aqui, e também possuem um padrão estético satisfatório deixando as cozinhas muito bonitas, além disso, a cerâmica costuma ser fácil de limpar e oferece menos riscos de acidentes.

 

Madeira:

 

  • A madeira é u material muito atraente para uma cozinha, além da beleza existe a questão do valor, é um dos pisos mais caros;

 

  • É inegável que a madeira encanta e pode ser o sonho de muitas pessoas colocarem esse tipo de piso em suas cozinhas, ela de fato remete a uma sensação de aconchego considerando o fato de que o ambiente fica mais quente;

 

  • Costuma ser ideal para as regiões mais frias, porem exige mais manutenção. Além de ser tratada contra cupim regularmente, ela também deve ser lixada e encerada ou envernizada com certa frequência.

 

Piso Vinílico:

 

O piso vinílico oferece vantagens como a facilidade da colocação é rápido e pratico podendo ser instalado em pouco tempo.

Para quem gosta de madeira mais procura uma versão mais barata o piso vinílico é ideal, eles imitam perfeitamente a madeira dando a mesma sensação de aconchego.

O custo é uma das outras vantagens desse piso, também existem versões que podem ser podem ser instaladas em áreas úmidas ou molhadas, o que torna essa opção de piso para cozinha bem atraente.

Então gostou das dicas? Esses são apenas algumas das opções de pisos que existem e você pode instalar na sua cozinha. Agora que você conhece mais detalhes sobre cada um vai ficar muito mais fácil na hora de escolher. Para encontrar um profissional e os materiais para sua obra, acesse, 1000obras.com.br/.

 

Qual a diferença entre os tipos de tintas para pintura da casa?

Enfim chegou a hora da pintura da sua casa! É um dos momentos mais esperados e também um daqueles momentos que podem gerar uma série de problemas caso você não entenda nada de tinta, e todos os outros itens usados na pintura.

Para saber um pouco mais basta prestar atenção nessas dicas preciosas que vão garantir que a escolha das tintas para a sua casa seja bem feita, reduzindo custos e deixando sua casa maravilhosa com a tinta adequada em cada ambiente.

 

Mas e aí, qual o tipo de tinta ideal?

Tinta Látex:

 

  • Essa tinta oferece facilidade para limpeza, é durável e tem secagem rápida. Uma das suas vantagens é que pode ser aplicado em superfícies ainda úmidas, podendo ser aplicada em áreas internas e a limpeza deve ser feita com um pano úmido;

 

  • É também a prova de mofo. Superfícies de alvenaria tem que estar bem niveladas para receber tinta látex. Sendo ideal para superfícies de metal, madeira, drywall, e gesso;

 

  • O látex é uma das tintas mais utilizadas na atualidade nos interiores das residências, o látex deixa o mínimo de odor e seca rapidamente;

 

  • O acabamento dessa tinta é de excelente qualidade e inclusive serve para recobrir camadas de tinta anterior de pintura;

 

  • O produto não é recomendado para áreas onde possa chover, nem áreas molhadas como banheiros por exemplo. As superfícies pintadas com látex são mais difíceis de limpar.

 

Tinta Acrílico:

 

  • Caracteriza-se por ser uma tinta diluída em água que seca ainda mais rápido do que a maioria das tintas e pode ser usada praticamente em todos os materiais de construção, incluindo alvenaria e metais adequadamente preparados:

 

  • É aplicada da mesma forma que a tinta de látex. Assim como látex, a superfície de alvenaria tem que estar bem nivelada para receber a tinta acrílico. Também é ideal para madeira, metal, gesso, e drywall.

Tinta esmalte:

 

  • Também conhecida como tinta óleo possui secagem lenta (12 a 48 horas), o odor da dessa tinta é intenso. Vem se mantando no mercado por conta da sua durabilidade;
  • O tempo de secagem costuma ser demorado o que pode fazer com que a pintura sofra alterações com as ações do tempo, como a umidade ou chuva;
  • As tintas esmalte podem ser usadas em ferro ou madeira, janelas de ferro, corrimãos e estruturas metálicas leves. O acabamento acaba se tonando mais durável e com melhor aspecto.

 

Tintas epóxi e poliuretano:

 

  • As tintas epóxi e poliuretano são sintéticas e não solúveis em água, essas tintas são geralmente diluídas em solvente específico e possuem catalizadores para auxiliar no processo de pintura;

 

  • A aplicação sempre deve ser realizada por um profissional especializado para evitar problemas como deslocamento da camada de tinta, acabamento ruim, ou a formação de bolhas;
  • São tintas que podem ser aplicadas em áreas molhadas e até inundadas, como piscinas e caixas d’água, também servem para banheiros, boxes, cozinhas entre outros locais que possam receber umidade;

 

Esses são alguns dos exemplos de tintas que existem no mercado, com essas informações você pode ter uma ideia de que tinta usar nos ambientes da sua casa sem correr o risco de escolher a tinta errada e causar prejuízos na obra.

O mais importante além de conhecer um pouco sobre cada tinta é contratar um profissional qualificado que saberá ajudar a escolher as melhores tintas sem desperdício, usando cada tipo de tinta no lugar adequado.

O 1.000 obras te ajuda a encontrar o profissional e os materiais necessários para sua obra! Acesse 1000obras.com.br/.